Notícias

Zé Roberto vê campeãs olímpicas apenas como “operárias do vôlei”

Treinador entende que conjunto é muito forte quando está unido e diz que nada está definido para os Jogos Olímpicos

  • -A
  • +A

Divulgação/CBV

André Avelar, do R7

Atual campeã olímpica, a seleção brasileira de vôlei feminino ainda não está fechada. A tardia conquista da vaga para Londres 2012, apenas nesse fim de semana, no pré-Olímpico disputado em São Carlos (SP), aumenta a possibilidade de novas jogadoras integrarem a equipe às vésperas dos Jogos.

A avaliação é do próprio José Roberto Guimarães. Bicampeão olímpico (em Barcelona 1992 com o masculino e em Pequim 2008 com o feminino), o treinador não vê nenhum destaque individual na sua experiente equipe e ainda aponta a necessidade de algumas melhorias para sonhar com mais uma medalha.

— O sistema defensivo ainda precisa melhorar. É uma evolução constante. A nossa relação bloqueio e ataque também precisa de mais atenção. O nosso time é muito forte quando está junto. Elas estão todas no mesmo nível. Falo com carinho que são “operárias do vôlei”.

Técnicos que fazem a diferença: Zé Roberto ensina a limpeza dos movimentos

Brasileiras arrasam rivais também na beleza

Ponteiro Giba vai jogar na Argentina após Olimpíada

Depois de seis anos no comando de equipes europeias, Zé Roberto está de volta ao Brasil para dirigir o recém-criado Vôlei Amil Campinas. A levantadora Fernandinha, de 32 anos, é uma das principais peças do elenco que ainda está em formação. E desde 2009 o treinador já tentava contar com a atleta na seleção.

— Não sei se a Fernandinha vai para Londres ou não. Ela está brigando por uma seleção e existe essa possibilidade. Não tem nada fechado. É uma atleta de uma personalidade muito forte e que pode ajudar com sua experiência.

Mudanças no elenco

Para Zé Roberto, em time que está ganhando se mexe, sim. Sempre em busca de melhorias, o treinador também quer ver Mari atuando mais livre. Hoje a atacante tem dividia a responsabilidade de também fazer a bola chegar às mãos da levantadora.

Uma possibilidade é testar a ponteira/passadora como oposta, fazendo sombra para a titular Sheilla. Antes de Londres 2012, a seleção brasileira tem pela frente a disputa do Grand Prix, em 8 de junho.

A Rede Record mostrará a Olimpíada de Londres 2012 com exclusividade na TV aberta brasileira, e também pela internet, por meio do R7. A Record detém ainda os direitos de transmissão dos Jogos Pan-Americanos de Toronto 2015 e da Olimpíada do Rio de Janeiro 2016.

Quadro de Medalhas

Últimas Notícias

Agora na Record

Programação completa

Facebook