Esportes

  • -A
  • +A
TENIS_DE_MESA

Tênis de Mesa

É disputado em ginásio fechado, com uma mesa de 2,74 m x 1,62 m e 76 cm de altura. As raquetes podem ter qualquer tamanho, peso e formato. A partida é disputada em melhor de sete sets (no caso das partidas da competição individual) e melhor de cinco sets (no torneio por equipes) de 11 pontos e o vencedor deve abrir dois pontos de vantagem para fechar a parcial. A cada dois pontos, muda o sacador, independentemente de quem ganha os pontos. A China é a grande potência, tendo ganhado 8 das 12 medalhas em disputa na arena do tênis de mesa nos Jogos de Pequim-2008. 

Estilos de jogo
• Caneteiro: o competidor segura a raquete como uma caneta e bate só com uma de suas faces
• Clássico: o jogador utiliza os dois lados da raquete, dando forehands e backhands
• Classineta: estilo inventado pelos chineses no fim dos anos 1980, que mistura o caneteiro e o clássico

Tráfico de talentos
Uma prática comum no mundo é naturalizar atletas chineses. Esse atletas, que não conseguem vaga na seleção principal de seu país, que possui 10 dos 20 melhores jogadores do mundo, aceitam jogar por outros países para conseguir uma vaga em Campeonatos Mundiais e Jogos Olímpicos. Um exemplo clássico aconteceu na Copa do Mundo por equipes em 2010, quando o time de Cingapura, formado por dois “ex-chineses”, venceu a própria equipe da China. Nos últimos dois Pan-Americanos, o campeão do torneio de simples foi um chinês naturalizado. No Rio-2007, a vitória foi do dominicano Lin Ju. Já em Guadalajara-2011, o ouro ficou com o argentino Liu Song. Em decisão recente, a federação internacional pôs entraves às naturalizações. Agora, se o atleta tiver até 15 anos, terá de ficar três anos sem jogar, para se naturalizar. Até 18  anos, precisará ficar cinco anos. E até 21, ficará sete anos sem atuar. Após os  21 anos, naturalizações serão proibidas.

Créditos: Adalberto Leister Filho, Karina Rodrigues e Guilherme Costa, do Núcleo Olímpico da TV Record